Pular para o conteúdo principal

CONVULSÃO EM CÃES: CUIDADOS E CAUSAS


Encontrei o texto a seguir no site Cães Online, com dicas de como identificar e lidar com cães que apresentam quadros convulsivos. Temos uma cachorrinha SRD, a Chamusca, que apresentou o quadro desde seus 5 meses de idade.  Em sua primeira crise chegamos a pensar que ela tivesse sofrido um engasgo, já na segunda vez cogitamos a hipótese de ser uma picada de algum bicho ou envenenamento, a levamos imediatamente ao médico veterinário que confirmou o diagnóstico. Por isso, achei importante passar esta informação para ajudar a quem ainda não identificou ou que não sabe como lidar com esta situação.

Chamusca em seu momento de leitura.


Chamusca tirando um soninho.

A Chamusca hoje tem 9 anos e segue tendo uma vida normal, apenas exigindo de nós tutores, o cuidado diário de mantê-la com a medicação permanente, que hoje é de meio comprimido de fenobarbital 50mg a cada 12 horas. A nossa querida mascote e primogênita é muito esperta e mesmo estando "velhinha", nunca deixou de ser a nossa bebê mais brincalhona.

Chamusca com 2 aninhos.

Chamusca na praia com 3 aninhos.

Chamusca Noel no natal de 2014. Foto: VG Photografia

Segue o texto:

Sabia que a convulsão pode acontecer em cachorro de qualquer idade e raça? Confira alguns cuidados!

Os cães também podem apresentar episódios de quadros convulsivos, que podem estar relacionados a várias coisas. A convulsão é uma condição que pode acometer cães de qualquer raça ou idade e exige um tratamento adequado que é realizado por meio de medicações corretas e acompanhamento veterinário.
Você já conheceu ou viu algum cão que teve convulsão? A condição ocorre devido a alguma desordem que pode atingir o sistema nervoso central do cão. A convulsão pode ter intensidades diferentes e ela ocorre por causa de uma descarga elétrica. O cachorro pode apresentar diferentes sintomas como, por exemplo, espasmos musculares, quedas bruscas e também os cães tendem a ficar se enrolando no chão com perda de percepção sensorial. Durante a convulsão, o cachorro também pode urinar ou até mesmo defecar.
O quadro convulsivo está associado a diversas causas como, por exemplo, doenças que atingem o sistema nervoso central, tumores, intoxicações medicamentosas, doenças do fígado e algumas raças também tem predisposição genética de origem idiopática, para a condição.
Uma das doenças que está relacionada à convulsão nos cães é a epilepsia, que é uma doença crônica, sendo caracterizada por ataques epilépticos de graus de intensidade variada, em que o cão pode ou não perder a consciência. Algumas raças são mais propensas a desenvolver essa doença, que é hereditária, como Beagle, Pastor Alemão, São Bernardo, Collie, Golden Retriever, Labrador, Pit Bull, entre outras. Cães com epilepsia tendem a ter uma vida normal, mas é preciso que o dono tenha mais atenção e cuidado com a saúde do seu melhor amigo.
A crise convulsiva no cão tende a durar, aproximadamente, 5 minutos e o dono não deve colocar a mão na boca do cão com o intuito de puxar a língua. Além disso, durante a crise é preciso afastar qualquer objeto e cercar o cão com almofadas ou até mesmo toalhas, para evitar possíveis acidentes.
O tipo de convulsão mais comum nos cães é a generalizada, em que o cachorro perde o controle e apresenta sinais como tremores nas pernas, além de soltar as necessidades de forma involuntária.
Um cachorro com quadro compulsivo exige muita atenção por parte do dono, por isso, é fundamental que o cão seja acompanhado por um veterinário de confiança e quanto mais cedo o tratamento for iniciado, melhor para a saúde do cachorro. Além disso, cães que têm crises convulsivas com frequência podem fazer uso de medicações específicas, que devem ser indicadas pelo veterinário.

Fonte: Cães Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SAIBA MAIS SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS REGRAS E REGULAMENTOS PARA O CANICROSS E O BIKEJORING

Geralmente pensamos que as regras e os regulamentos servem apenas para quem pratica o esporte de forma oficial. De certa forma sim, porém, estas regras e regulamentos são criadas não só no intuito de organizar o esporte, mas também amparar e proteger a integridade dos atletas ou praticantes, sejam eles humanos ou cães. Neste artigo procurei destacar alguns pontos importantes no que diz respeito às regras e regulamentos para Canicross e Bikejoring que são estabelecidos e seguidos pela IFSS (Federação Internacional de Sleddog Sports), que detém o World Dryland Championships(abrangendo Canicross e Bikejoring) e a ECF (European Canicross Federation). A ideia é passar as informações relevantes ao praticante, seja para competição ou diversão, para que este possa usufruir dos benefícios do esporte de forma segura e correta. Não são todos os itens que precisam ser seguidos por quem pratica estes esportes como lazer e diversão, pois muitas das regras serão específicas para provas com

10 Dicas para quem vai treinar CANICROSS

A chegada do tempo bom incentiva o passeio com o cão e a  praticar algum esporte com ele.  Juntamente com o  agility , entre os esportes que mais tem atraído os aficionados por cães está o  canicross,  por isso, lhe damos dez conselhos para quando quiser praticá-lo. E lembre-se sempre que ESCOLHER O EQUIPAMENTO CORRETO É O PRIMEIRO PASSO! 1. Exame veterinário.  Verificar a saúde do cão é o primeiro passo necessário. 2. Começar a treinar.  É essencial que o cão vá gradualmente ganhando resistência aeróbica, para começar, pode-se dar um passeio de bicicleta por aproximadamente 20 minutos. 3. Educação técnica.  O cão deve conhecer as técnicas necessárias para participar de uma corrida, como as ultrapassagens, alongar a linha de forma constante, cruzar-se com outros cães, ordens direcionais, pedir-lhe que trote devagar etc, e é responsabilidade do guia que ele as aprenda corretamente. 4. Fortalecimento da musculatura  geral e do quarto traseiro, em particular, pa

A Origem do Canicross

Aiko veste Arnês X-Back Vermelho da Nostro Pet.  Foto: VG Photografia O Canicross  surgiu no Reino Unido na década de 1990. A ideia veio da necessidade de treinar os animais para puxar trenós. Para que o cachorro se acostumasse com a tração, o início do treino era feito com o animal atrelado ao condutor por meio de uma guia. Ao notar que isso era prazeroso tanto para o homem quanto para o cão, o Canicross virou esporte. Atualmente, a prática já é bem popular no continente europeu.  O primeiro campeonato  foi realizado em 2002 na província de Ravena, na Itália. No Brasil, entretanto, o esporte surgiu em meados de 2010. O Canicross, originalmente, é praticado em meio à natureza, em campos, montanhas e locais onde a natureza é predominante.  O equipamento adequado proporciona conforto ao cão. Foto: VG Photografia   Aqui no Brasil, temos inúmeros lugares e paisagens que podem ser aproveitados para iniciarmos este hábito maravilhoso que é o Canicross, seja pa